SIM Consultores

A SIM consultores apresentou no dia 14 de dezembro, a palestra com o tema: Faça a Diferença, na Embraco, para 140 pessoas (aproximadamente).

Na palestra tratamos do conceito ownership (propriedade), relacionado a trabalho em equipe, participação e liderança. Trabalhamos atividades para gerar o sentido individual e de grupo, como cada um se conecta e desconecta da ‘rede’, gerando assim responsabilidades de grupo e a responsabilidade de cada um pelo resultado da empresa.

 

Em parceria com a incubadora Softville, realizamos em 2012, o projeto Plano de Negócio, Marketing, Vendas e Comunicação para os incubados.

Realizamos o trabalho através de encontros de capacitação em grupo, atendendo a parte teórica do projeto e de encontros individuais com cada incubado, visando trabalhar a questão de cada um e desenvolver ações para melhoria do negócio.

Atendemos 30 incubados.

Foi satisfatório fazer parte deste projeto, pois tivemos a oportunidade de ajudar as pessoas a se desenvolverem e trabalhar com ações para obter o melhor resultado do seu negócio.

  • 8
  • dez

Sua empresa tem metas, certo?

Todos na empresa sabem quais são elas?

Como está o comprometimento com o atingimento da meta?

Independente do tamanho da sua empresa ou do ramo de negócios em que você atua, você e sua equipe precisam ter metas. Sem sombra de dúvida todas as empresas e equipes dedicam-se fortemente a fazer o melhor, esforçam-se ao máximo, sempre procurando melhorar seus resultados no dia-a-dia. Mas, por incrível que pareça, nem todas as empresas estabelecem metas claras para sua empresa e suas equipes, em especial as micro e pequenas empresas, e as empresas familiares.

No filme “Alice no país das Maravilhas”, a personagem Alice pergunta ao Coelho “Qual caminho a seguir ?”, e ele pergunta a ela: “Para onde você quer ir?”. Ela responde: “Não sei”. E ele diz: “Então qualquer caminho serve!”

As metas são fundamentais para dar um norte à empresa, para a equipe e para o profissional. Quando se sabe exatamente aonde se quer chegar o caminho fica mais fácil e mais motivador.

Imagine você em férias, planejando sua viagem para a praia. Certamente você estará definindo qual praia você vai, qual hotel via ficar, que passeios fará que dia vai chegar e que dia voltará. É motivador, não é mesmo? E fica tudo mais fácil quando planejado e definido antecipadamente. Tudo isso são metas que você está planejando para suas férias. Você deve fazer o mesmo com sua equipe.

Assim como nas férias, onde você decide tudo em conjunto com sua família, amigos ou seu parceiro, as metas na empresa devem ser definidas com a participação de todos os envolvidos. Quando o profissional participa ativamente da discussão e da decisão das metas, tendo a oportunidade de expor sua opinião, o seu comprometimento com o resultado é sempre maior, já que ele participou e aceitou o desafio proposto.

Uma meta não deve ser determinada unicamente “de cima para baixo”, ou seja, do dirigente para os subordinados, sem qualquer negociação entre as partes. Um dos maiores riscos é a meta ser maior do que a equipe acredita que deva ser e não concordar com a ela. Embora não digam isso ao chefe, e como não acreditam que vão atingi-la, nem mesmo se esforçarão.

Uma meta boa é aquela onde a equipe acredita que vá alcançar. Mas não dê moleza, não pode ser fácil demais. Toda meta deve ser desafiadora, tem que exigir um esforço adicional e tirar a equipe da zona de conforto. Como diz Sun Tzu em seu centenário livro A Arte da Guerra:

Mire a Lua para acertar uma Águia,

“pois se você mirar uma Águia você pode acertar uma pedra.”

 Ao estudar, planejar e definir as metas é necessário ter critérios bem definidos para servir como base para se chegar aos números finais. Uma meta sem referência é apenas um sonho, um desejo. Há empresas que definem suas metas com base no mesmo período, mês ou trimestre do ano anterior, apenas acrescentando um percentual de crescimento. Mas será que o mercado não mudou de um ano para o outro? Certamente a economia mudou, a concorrência mudou, a equipe mudou, a empresa mudou. Outras empresas utilizam apenas o mês anterior como referência, também agregando o percentual de crescimento desejado, e isto também não é o suficiente. Ao longo do ano, todo ramo de atividade tem sua sazonalidade e particularidades. Natal, inverno, dia das mães, férias, feiras anuais do setor, são apenas alguns exemplos que fazem com que certos períodos sejam únicos ao longo do ano.

Dessa forma utilizar apenas um critério para definição da meta é insuficiente, e normalmente não retrata a realidade, nem serve de referência atualizada. Então deve-se levar em conta diversos critérios, entre eles o resultado do mesmo período no ano anterior e do mês anterior sim, e também as previsões econômicas, a situação dos concorrentes, a realidade da equipe, a capacidade de entrega da empresa, e época do ano, e outros que julgar pertinentes.

E quais os tipos de metas você utiliza? Apenas faturamento? Será que é só isso que é importante para sua empresa? E como você divide as metas entre sua equipe? De forma igual para todos? Ou utiliza critérios como experiência, região, entre outros?

Bem, mas isso fica para um próximo artigo.

Paz e Sucesso.

Marcelo Bergamo